Pular para o conteúdo
Voltar

Agência de Fomento propõe Fábrica de Software para estimular mercado de tecnologia em MT

A proposta é uma parceria entre governo e academia científica de Mato Grosso.
Livia Rabani | Desenvolve MT

Agência de Fomento propõe Fábrica de Software para estimular mercado de tecnologia em MT - Foto por: Assessoria de Imprensa/Desenvolve-MT
Agência de Fomento propõe Fábrica de Software para estimular mercado de tecnologia em MT
A | A

Para fomentar o crédito ao mercado de tecnologia as pequenas e médias empresas, aproximar a academia científica ao mercado regional do estado de Mato Grosso e atender as demandas de tecnologia do estado, a Agência de Fomento de Mato Grosso – Desenvolve MT, juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) deu início essa semana ao projeto Fábrica de Software.

A proposta é uma parceria entre governo e academia científica de Mato Grosso com políticas públicas, incentivar e encurtar as distancias entre as instituições e o cidadão empreendedor.  A primeira reunião foi realizada na Desenvolve MT e foi apresentado o projeto aos diretores de ensino.  

Um estudo divulgado recentemente pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), apontou que as instituições de ensino precisariam formar 70 mil alunos por ano para evitar um déficit de mão de obra no setor.

Atualmente existem 845 mil empregos no setor de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil, sendo que 42,9% está concentrada nos grandes centros. Ainda de acordo com a pesquisa, a demanda atual por novos talentos entre 2019 e 2024 está em 70 mil profissionais. Porém, apenas 46 mil pessoas se formam por ano no ensino superior com o perfil necessário para atender essas vagas.

A Agência de Fomento tem muito a contribuir com o mercado regional de tecnologia de Mato Grosso por meio de créditos específicos. Nesse primeiro momento, queremos conhecer a realidade das instituições de ensino e encurtar a distância entre a academia e o mercado, explicou o Presidente da agência Jair de Oliveira Marques. ‘’Mato Grosso tem todo o potencial para se tornar referência e propor soluções para as empresas por meio da Fábrica de Software’’, disse ainda o presidente.

Para o vice-presidente da Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), Cleberson A.S. Gomes, o estado deve ser o grande provocador, as demandas no setor de tecnologia são muito grandes. “Na prática, a MTI pode concentrar as necessidades, ligar as pontas entre estado e a academia resolver e fomentar o ecossistema de tecnologia no estado’’, explicou, o vice-presidente.  

Para Patrícia Cristiane de Souza, do Instituto de Computação da Universidade Federal de Mato Grosso, a iniciativa do governo em formar parceria e fomentar é muita válida porque falta incentivo financeiro compatível ao mercado para os alunos. “As bolsas de ensino atualmente não são atrativas, os alunos acabam desenvolvendo projetos e o mercado dos grandes centros os absorve retirando o profissional do seu estado’’, explicou Patrícia.

Com essa parceria, a Agência de Fomento poderá atender as expectativas da academia de forma remunerada, e os alunos serem diretamente beneficiados com recursos, como um maior percentual de bolsas de estudo ou até mesmo remuneração financeira, caso o regimento interno de cada instituição permita a execução. 

A próxima reunião ficou marcada para o dia 13 de fevereiro na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) para as instituições educacionais apresentarem portfólio de produtos sistêmicos de tecnologia.

Participaram também da reunião o secretário em exercício da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Jeferson Moreno, Walter Valverde, secretário Adjunto de Investimentos e Agronegócio, Sérgio Leal e Anders Sucksclorff também da Sedec, William César Moraes, diretor de prospecção e projetos da Agência de Fomento de Mato Grosso, Júlio César Campos, Assessoria Executiva e Natan Gomes Brito, gerente de Tecnologia da Informação da Agência de Fomento, Cleberson A.S. Gomes, vice-presidente da Empresa Mato Grossense de Tecnologia de Mato Grosso (MTI) e  Sandro Brandão (MTI), Daniel Àvila Vecchiato, do Instituto de Comunicação da Universidade Federal de Mato Grosso,  André Galvan da Silveira, da Universidade de Cuiabá (Unic), Abraão Gualberto Nazário e Rubens de Oliveira, da Faculdade de Tecnologia Senai, Layla Teixeira, do Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (Sesi/Senai), Rafael Bezerra, Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT).